13 de março de 2012

Vidas Inocentes - Parte 36


*** Carolina ***


Mário- Dói-me ver-te partir.
Carolina- A mim dói-me porque sei que não aceitas a minha partida.
Luísa- Bem meninos, acho que estou um bocadinho a mais. Vou ao pátio fumar um cigarro.

Ele aproximou-se em passos lentos, e pôs as mãos na minha cintura.
Mário- É lá que és feliz ?
Carolina- Já tivemos esta conversa.
Mário- Se o és, então só tenho que aceitar. Eu levo-te ao avião.
Esperamos que a Sofia acabasse de fumar, e voltasse á sala, para irmos.
Durante a viagem estivemos todos em silêncio. Eu sentia a minha vida passada, toda a passar por mim. Iria-me despedir de novo, das pessoas que presenciaram tudo. Da minha melhor amiga, que sempre lá esteve para mim, e eu nem sabia. Já não me recordava de como era louca, de como vivia cada momento meu como se fosse dela, e tinha presenciado todos os mais e menos importantes, e mesmo assim fui capaz de a abandonar.
E o Mário, que afinal ainda morria de amor por mim. Ao ir-me estava também a enterrar as nossas coisas, todas as nossas confissões quando ainda eramos meros miúdos, as nossas brincadeiras, os almoços em casa um do outro, os beijos dados ás escondidas, o amor feito num quarto escuro com medo que alguém nos apanhasse. No final de contas, estava a enterrar uma vida.
Chegámos, e eu só queria agarrar-me a eles e chorar.
Luisa- Pessoal, ainda falta um bocado para o avião, bora beber café ali naquela esplanada ?
Fomos, sentamos-nos. Os três estavam com cara de quem tinha a garganta a arrebentar com coisas por dizer, mas ninguém o dizia.
Luisa- Se um dia, me apetecer ir a Lisboa, recebes-me ?
Carolina- Claro que sim ! Com todo o gosto. Mas porque é que haverias de lá ir, se nunca gostaste de Lisboa ?
Luisa- Há alguém que me obriga, e nem sabe.
Gargalhamos todos.
Carolina- Eu sei que já tinha dito que nunca mais voltaria cá, mas voltarei. Por vocês.
Mário- Vamos deixar-nos de tretas, que está quase na hora, e queremos despedida em grande, com abraços profundos. Andem gente.

Faltam 15 minutos para entrar para o avião, então comecei a despedir-me da Sofia.
Ela abraçou-me, apertou-me contra ela.
Carolina- Estarei sempre contigo, mesmo não estando ao teu lado.
Luísa- Eu sei que irás cair em ti, e perceber que estás a cometer um erro enorme. Só espero que não seja tarde mais. Mas até pode passar 10 anos, vou estar á tua espera na mesma.
Começamos a chorar as duas, e voltamos-nos a abraçar. Largamos-nos, e tinha chegado a vez do Mário.
Beijou-me a testa, limpou-me as lágrimas.
Mário- Fui cruel muitas vezes, acabei por te magoar vezes sem conta, sem dar por isso. Mas não foi de propósito. Aliás, acho que vim ao mundo com a missão de te amar incondicionalmente.
Saltei-lhe para os braços, e chorei. Chorei como se fosse uma criança. As lágrimas corriam, e não iriam parar, eu sabia.

5 comentários:

  1. lindo, mas com quem será que ela irá acbar??
    a espera da próxima parte

    ResponderEliminar
  2. tenho um selinho para o teu blog no meu blog, fofinha :)

    ResponderEliminar
  3. oi, oi, oi *-* ; gostava que passasses pelo meu blog, e votasses na sondagem que lá está, gostava de ter as várias opiniões existentes . obrigada (:

    ResponderEliminar