10 de março de 2012

sorry, dad


Já deveria ter escrito sobre ti, mas faltavam-me as forças. Está quase a fazer dois meses que faleceste, e continuo a sentir uma necessidade enorme de te explicar os meus sentimentos. Não te vou pôr no altar, porque nunca foste nenhum santo. Mas eras meu pai, e nem sabes como me magoavas por amares mais a mana do que a mim. Não precisei que ninguém me explicasse. Eu sabia isso, só olhar. Só de ver como a abraçavas, e a mim davas-me um beijo seco. Só servia para mostrares aos teus amigos inúteis, que tinhas uma filha "linda", pelo menos pelas tuas palavras. E foram esses mesmos amigos inúteis, que te levaram á morte. E não vi, nem um deles lá a chorar a tua morte. Mas eu, a tua filha que tanto ignoravas, tive lá e encostei-me a ti. Abracei-te, e beijei-te como nunca tinha feito. Não sabia que me ias fazer tanta falta. E sabes, a mãe sempre te amou. Ela chorou, como se tivesse perdido o amor da vida dela. E tu fizeste-lhe tanto mal. E a mim. Nunca te perguntei se te lembravas da minha primeira palavra, ou em que dia foi o meu primeiro passo. Também era escusado, de certeza que te ias rir.
Não te torturo, agora já foste, sei que nunca poderás responder ás minhas perguntas, mas fica a saber que quando tiveste deitado naquela cama do hospital, eu teria gostado de lá ir, dar-te a mão. Mesmo que não pudesses ver-me, irias saber que tinha lá estado. E dizia que te amava, porque nunca tive oportunidade para o dizer. Guarda-me sempre. E por muito poucos que fossem os nossos momentos, tenho saudades deles. De te ver chegar no teu mercedes creme, e acenares-me. De tratarmos do corvo juntos. De almoçarmos um ao lado do outro. De me dizeres boa-noite, e me ires aconchegar á cama, as poucas vezes que dormia na tua casa. Podias era ter amado mais, ou ter mostrado mais. Não te censuro. Desculpa as coisas feias que pensei e dizia sobre ti ás paredes. Quando no fundo, tu não tinhas culpa nenhuma das coisas más que me aconteciam na vida. Amo-te, pai.

9 comentários:

  1. força princesa, sei que não me conheces, mas estarei aqui para tudo.
    sinto um bocado da tua dor porque perdi o meu irmão, vai fazer nove anos, e tive o meu pai numa cama de hospital, sei o quanto é difícil, ver alguém partir sem poder lhe dizer o que se sente.

    ResponderEliminar
  2. obrigado pelas tuas palavras querida.
    alguma coisa, diz, tentarei ajudar do melhor que poder. ♥

    ResponderEliminar
  3. ai Joana, não fazia ideia disto... sabes que podes contar sempre comigo para tudo boneca, apesar da distância e de nos termos afastado terás sempre aqui uma amiga com quem poderás sempre desabafar. é difícil ter de encarar a partida de um ente querido mas eu sei que tu és forte e consegues ultrapassar isto tudo com garra e coragem.
    força minha princesa

    ResponderEliminar
  4. Este texto emocionou-me , mesmo sem ter perdido o meu pai, eu sinto muitas vezes esse medo de o perder. Tens que ter muita força. Apesar de ele não ter dado o que tu merecias, ele continua a ser teu pai e o amor não muda. És muito determinada. :3

    ResponderEliminar
  5. ps : estou a seguir, se quiseres segue-me também. (:

    ResponderEliminar
  6. Tu és muito querida e obrigada por todas as palavras. :3

    ResponderEliminar