19 de dezembro de 2011

Vidas Inocentes - Parte 27


*** Carolina ***


Já estávamos nas férias do Verão. O Daniel ainda habitava na minha casa, e no meu coração óbvio. A sheila estava quase a ter o bebe, e eu como tinha prometido, iria aos Açores. Não sei o que iria fazer em relação ao Daniel, mas tinha que voltar ao meu sitio.
Carolina- Pai, tens que ir comprar o bilhete de avião.
Pai- Sim filha. Diz-me mais ou menos quando queres ir.
Carolina- Para a semana está óptimo.
Pai- Compro um ou dois ? (Riu-se)
Carolina- Pai, não comeces outra vez com essa conversa. Já estou farta de dizer que vou aos Açores sozinha. O Daniel fica cá com vocês.
E tinha acabado de dizer isto, entrou ele na cozinha. Com a cara que estava, claro que ouviu o que eu tinha dito.
Carolina- Escusas de fazer essa cara.
Daniel- Não percebo porque é que não posso ir contigo, mas está bem.
Carolina- Porque o teu filho está quase a nascer.
Daniel- Pá, não faças do Santiago uma desculpa para não me levares.
Calei-me. Realmente não queria levá-lo. Queria enfrentar tudo sozinha. As lembranças, as pessoas, os comentários. Queria recordar na solidão. Falar com as pessoas que deixei no passado. E o que mais me inquietava, falar com o Mário.

O Mário era o meu ex. Namoramos bastante tempo, e fui tão feliz com ele, que quase que não me lembro dos maus momentos. E acabou, pela morte da minha mãe. Eu negava-me a falar com as pessoas, não deixava sequer ele chegar-se ao pé de mim, ou pôr um pé na minha casa. Fiz um luto á minha maneira. E ele, fartou-se. Não o condeno.
Mas claro, o Daniel não sabe disto.
Fui ao quarto ver como estava o amuado do Daniel.
Carolina- Amor, não fiques assim comigo.
Daniel- Carolina, tu não me queres levar contigo, queres que fique como ? Eu quero mesmo ir aos Açores contigo, e apoiar-te.
Carolina- Mas eu quero enfrentar as lembranças sozinha. Não quero levar ninguém comigo. E olha, até te digo uma coisa. Já não vou trabalhar para aquela senhora que te falei, vou só a minha antiga casa, ver como estão as coisas por lá, e depois eu volto.
Daniel- Vais ficar quanto tempo ?
Carolina- Ai Daniel ! Não sei. Vou ficar o tempo que me apetecer. Não tenho um dia certo para voltar.
Daniel- Está bem. Só não me ligues a dizer que já não voltas !
Carolina- Deixa de ser parvo. Eu amo-te e prometo-te. Nunca te vou deixar.

*** Daniel ***


Para ela, aquilo não significava uma promessa. Eram só umas palavras para me calar. Eu sabia que ela ia lá, ia encontrar pessoas, viver lembrança, e não sei, talvez se voltasse apaixonar por aquela terra. Tinha um medo terrível que ela me deixasse. A nossa relação tinha tomado uma rotina chata. Não queria que se fartasse de mim.
Daniel- Vou sair.
Carolina- Vais onde ?
Daniel- Também te amo.
E saí.

6 comentários:

  1. irei tentar surpreender claro xD
    eu gosto muito da tua história, vê se escreves mais, quero saber o que vai acontecer.

    ResponderEliminar
  2. E' isso que vou continuar a fazer, tem que ser! Obrigada querida*
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  3. obrigada pela opinião, fico bastante agradecida :D
    acabei por optar oferecer-lhe o da Diesel :D

    ps : Bom Natal :D

    ResponderEliminar