19 de agosto de 2011

Vidas Inocentes - Parte 11


***


O resto do dia correu dentro da normalidade. No final das aulas todas, esperei pelo Daniel no portão da escola. Ele lá apareceu.
Daniel- Vamos ?
Carolina- Claro.
Sorri. Viemos metade do caminho calados. Até que decidi interromper o silêncio.
Carolina- Está tudo bem ? Se não quiseres ir jantar connosco, não precisas de vir.
Daniel- Que se passou hoje ?
Carolina- Porque é que me estás a responder com outra pergunta ?
Daniel- Não tens confiança em mim ?
Desatei-me a rir á gargalhada, parecia um jogo de perguntas. Mas ele não estava a achar piada.
Carolina- Que foi Daniel ?
Daniel- O que se passou hoje ?
Carolina- Não foi nada de especial. Fui eu que me irritei com o David, aquele que tem a mania que tem piada, e caí na fraqueza. Sabes, não costumo chorar. Mas quando as coisas se juntam, e se tornam demasiado pesadas para mim, tenho que deitá-las para fora.
Daniel- Sabes que podes contar comigo ?
Carolina- Óbvio que sim.
Deu-me a mão, e fomos até minha casa assim. Chegámos e o meu pai já lá estava, o que era estranho.
Carolina- Então, já em casa ?
Pai- Parece que sim.
Apresentei-os. A Maria também já estava em casa. O jantar correu bem. O meu pai sempre muito falador com o Daniel, o que me espantava bastante, porque ele era sempre super arrogante. Fui levar o Daniel lá abaixo e vim para casa.
Pai- Hoje a Paula vem dormir cá.
Carolina- Porquê ?
Pai- Porquê o quê ? Não tenho que te dar justificações de nada.
Carolina- Mas tu ainda não entendeste que eu não gosto dela ?
Levantou-se do sofá, e começou aos gritos comigo.
Pai- Enquanto viveres debaixo do mesmo tecto que eu vives da mesma maneira que eu, e convives com as mesmas pessoas que eu, gostes tu ou não.
Carolina- Infelizmente não me deram a escolher.
Pai- Mas ainda estás a tempo menina. A porta é ali.
Carolina- Mas tu por acaso ainda me conheçes ? Ou por acaso, ainda conheces a Maria ? Há quanto tempo é que não tens um beijo para nos dar, ou um programa para fazermos juntos ?
Pai- E há quanto tempo é que tu não me chamas pai com orgulho ?
E com isto baixou o tom, e a cabeça.
Carolina- Desde que me tiraste a minha mãe.
Saí, e bati com a porta. Hoje não ia dormir a casa. Liguei á sofia, e pedi o numero do Daniel. Mandei-lhe uma mensagem.
" Olá Daniel, desculpa estar-te a incomodar. Será que hoje posso passar a noite contigo ? Carolina"
E ele logo respondeu.
" Claro tonta. Estou á tua espera"

9 comentários:

  1. ai a história está linda princesa, desculpa não comentar todas as partes mas às vezes fico sem tempo e acabo por não dizer nada.. gosto do rumo que as coisas estão a levar. é uma história fantástica, com muito sentido e infelizmente mostra a realidade de muitos corações.
    continua, por favor, mal posso esperar pelo próximo :) <3

    ResponderEliminar
  2. lindoooo! adorei principalmente a ultima parte, "claro tonta. estou á tua espera" *.*

    ResponderEliminar
  3. Obrigada querida :)
    Já agora, estou a adorar a história!

    ResponderEliminar
  4. estou a adorar a história, a forma como a estas a desenvolver, continua :D

    ResponderEliminar
  5. obrigada linda
    a tua história tambem esta a ficar espetacular, estou adorar, escreve mais e posta rápido

    ResponderEliminar
  6. obrigada, mas não precisas de ser tão exagerada :p

    ResponderEliminar
  7. tu segues-me e como tal, sinto que tenho a obrigação de te avisar que me mudei para: http://dannieagc.blogspot.com/ ; passa pelo meu novo cantinho e dá a tua opinião :)
    beijinhos

    ResponderEliminar