13 de fevereiro de 2011

avó


Tenho tantas saudades tuas. De sentir a pele enrugada das tuas mãos, a passar pela minha cara, de vires ao meu quarto á noite, para ver se eu estava bem deitada, tapada, e aconchegada. Tenho saudades de estar horas, e horas, sentada ao pé de ti, ouvir as tuas histórias. Tenho saudades, de me deitar ao pé de ti á tarde, sentir o teu braço á minha volta. Agora estás longe, e eu só vejo o teu olhar caído sobre mim, aos fins-de-semana. Já não tenho os teus comentários sobre a minha roupa, os teus cozinhados, as tuas perguntas parvas, as tuas piadas que tu nem sabias que eram piadas. Tenho tantas saudades, e por mais que eu explique isto, ninguém me ia entender! Mesmo podendo estar ao pé de ti, de vez em quando, não é a mesma coisa que morar na mesma casa que tudo, e poder-te abraçar sempre que quisesse! Digam o que disserem, para mim, és uma grande mulher, que já cometeu alguns erros como todos os humanos. Mas eu amo-te na mesma, ‘vó. Amo-te por tudo o que foste para mim, pelas vezes que tomaste conta de mim, enquanto a mãe não podia, pelas vezes que me embalaste, pelas vezes que aturaste as minhas birras, pelas vezes que choraste quando eu errava, e dizia as coisas da boca para fora. Serei sempre a tua menina, pequenina.

2 comentários:

  1. De certeza que a tua avó vai estar sempre lá pra ti, é sempre assim :) E obrigado pela força querida :D

    ResponderEliminar
  2. É verdade, mas nem todos são assim :)
    Obrigada na mesma :p

    ResponderEliminar